NarrativasRevisadoSem signo

Você não conhece essa parte dela

Você sabe que vive quando a vida dentro de si assume você.

Eu parecia tão diferente esses dias, tão viva… Você nem pôde notar o que está acontecendo dentro de si. Tudo parece tão maravilhoso e incrível que por um momento você teme estar perto de que algo ruim aconteça… Mas não é preciso ter medo quando se tem amor e um pouco de cheiro de licor do garoto que deixou por perto.

— Como você está? — Se sentou à beira da cama.

— Eu nunca pensei que fosse dizer isso, mas… assustada e incrivelmente completa.

Me tomou a mão.

— Eu amo você.

Eu ri, quase chorando, e ele riu junto.

-Do que você está rindo?

— … Estou grávida.

Ele não me respondeu de imediato. Era óbvio que a chuva de responsabilidade o atingia da mesma forma como tinha acontecido comigo.

— Mia… MIA. Ai, meu Deus. Eu preciso pensar. — E se levantou.

— Aonde vai?

— Dar uma volta. Colocar as coisas no lugar. Espairecer. — Me encarou por fim.

Sorri em resposta. Ele não pareceu entender.

— Você não está com medo?

— Eu deveria? Eu tenho essa criança, e quando ela tiver medo… eu não vou poder mostrar a ela, pois eu fui incumbida dessa missão de cuidá-la, respeitá-la e lhe dar segurança.

Procurou em todos os sinais do meu rosto que eu estava brincando, mas nunca havia falado tão sério na vida.

— Você pode sair dessa casa, me deixar aqui, achar outra mulher que te queira…

— Você e esse seu ciúmes — me interrompeu.

Eu trouxe o seu rosto para mim.

— Mas nada pode separar mais essa família. Eu não estou pedindo mais do que amar essa criança e abrir mão de todos os seus defeitos para educá-la.

— Mia… — Respirou. — Eu não sei se estou pronto para isso.

— É claro que está. Deus não dá alguma coisa com a qual não possamos arcar. Você está com medo. É normal. Algumas coisas mudarão, mas… eu nunca quis tirar sua liberdade e muito menos te prender em um relacionamento sufocante. Se não quiser isso, eu vou entender. Você pode ir, afinal… não podemos obrigar ninguém a nada… Apenas…

— Shh. Fica quieta. Quando ficou grávida, contou para mais alguém?

Ri.

— Claro que não. Você é o primeiro a saber.

Me sorriu. Seus olhos pararam na minha barriga.

— Será que ela vai ser brava que nem você?

— Ela?

— Sinto que é menina.

Meus hormônios de grávida já começavam a aflorar ou eu tinha presenciado a frase mais linda que ele tinha me falado? Ele tinha aceitado.

— Eu não sei, mas espero que seja aquariana… que nem o pai. — Lhe mexi os cachos.

Nos abraçamos naquela noite. Um abraço que durou horas. Ele terminou por dormir, enquanto eu idealizava um futuro perfeito, onde ela sofresse aquilo a que não me submeti, mas que fosse principalmente… feliz pelas suas escolhas e livre para amar o que e quem desejasse.

Sem a minha voz inconscientemente na sua mente dizendo para não o fazer.

“Por muitas vezes você acha que o amor da sua vida é aquele apenas que corresponde com o lado carnal. Até… ter esse pedaço de você nos braços, e não há nada mais feliz.”
Sou mais feliz com você… Desde as pequenas coisas que escolhi deixar para trás.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar