RevisadoSem signo

Era uma vez… uma história desse homem

Deixa o Guru Astral contar essa história. Ele acordou naquela manhã sem o típico fôlego que costumava ter antes de tomar seu café matinal. Sabia que isso não era normal, que tinha algo fora do lugar, mas tudo bem. Quem sabe uma hora isso iria melhorar? Foi comer um pouco dos seus sucrilhos. Sabia o quanto isso fazia mal para sua saúde, aquela quantidade toda de corantes, mas era algo que amava.

Um hábito que tinha conservado da sua infância e até hoje isso se agarrava nele assim como costumava se agarrar nas pernas do pai quando ele insistia que tinha que ir trabalhar. Porém, naquela manhã sentiu um breve enjoo e não conseguiu prosseguir da segunda colherada. Talvez fosse melhor comer uma fruta, mas não sabia se teria tempo o suficiente para isso. Colocou sua roupa, pegou sua mochila e resolveu partir.

Andar de bicicleta parecia bom. Também gostava de correr, pois ajudava a manter o corpinho em dia, mas hoje seria perfeito para pegar um Uber ou um táxi, caso o carro demorasse o dobro de tempo para achar sua localização. Optaria pela caminhada até a esquina, pelo menos isso ajudaria a economizar dinheiro.

Quando sentou, falou brevemente ao motorista o local do seu destino. A viagem foi em silêncio a maior parte do tempo, quando ao chegar no trânsito habitual daquele horário, decidiu abrir o feed do celular, pois sabia que teria que esperar um longo tempo. Geralmente reclamava bastante quando pegava algum carro para sair de casa, mas dessa vez agradeceu ao trânsito. Realmente alguma coisa estava errada.

Quando finalmente parou nas redes sociais, foi a foto dela que ele viu.

Ela parecia bem. Ela parecia feliz. Nem parecia que tinham discutido tanto nos últimos tempos. Nem parecia que ela se importava se o veria de novo. Mas ele se importava. Ele se importava se ela estava com outro cara que faria por ela tudo aquilo que ele gostaria de ter feito, mas parecia que não tinha enxergado a tempo. Parecia que tinha deixado passar a sua única oportunidade para ser feliz passar.

Agora lembrou. Fazia sentido. Tudo mudou nessa história. Por mais que algumas coisas estivessem boas na sua vida, tranquilas, estar sem essa pessoa não fazia o menor sentido, e nem por isso não continuava sentindo. “Se ela estivesse comigo, eu poderia parar de sentir tanto frio, mas enquanto isso eu prefiro continuar com o meu orgulho ferido.”

Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar