RevisadoSem signo

Um dia qualquer

Um dia como qualquer outro. Sim, porque para mim todos os dias são absolutamente iguais, estáticos, monótonos e bastante nostálgicos. Acordei, tomei banho, escovei os dentes, me arrumei e saí, como de rotina.

Como qualquer outro dia, eu estava muito triste, a diferença é que nesse exato dia eu reclamava de tudo, até mesmo do vento que insistia em bater no meu cabelo, das amizades tóxicas, das coisas que eu não conseguia fazer, porque, sim, parece que estamos em constante desenvolvimento e possuímos defeitos.

Eu tinha me cansado de tudo.

E dessa vez eu não conseguia parar nem para tomar uma água. Refleti um pouco, para que assim pudesse colocar em ordem ou apenas aquietar todos os meus pensamentos.

A cada minuto que se passava, eu estava cada vez mais deprimida, até que eu me matei.

Pude notar que nem sempre o fato de as pessoas expressarem o que sentem ou não quer dizer que não se importam, porque muitas apenas não conseguem e sofrem caladas por não conseguir.

Enquanto que às vezes a gente, mesmo que de uma forma inconsciente, vai pressionando a pessoa, e, sabem, não se deve pressionar. Por mais que demore, um dia a pessoa vai esboçar qualquer tipo de reação, e, sim, estaremos preparados e iremos entender.

No dia depois que me vi em pedaços, vi alguns membros da minha família e amigos chorando, vi o meu irmão que tanto brigava comigo chorando escondido no banheiro. De vez em quando ele fazia isso, ia no meu quarto, olhava as coisas que eu fazia (ele não entendia nada, dizia que eu era louca), mas agora ele apreciava cada arte e chorava. Não sei se pelo que dizia para mim ou por falta de mim mesmo. Vai saber, meu Guru Astral.

Por isso, ame sempre as pessoas, demonstre o amor que tem por elas, mesmo que através de pequenos gestos. Só não deixe de cuidar, pois de nada adianta demonstrar depois que elas se forem; você só vai sofrer cada vez mais com isso.

Pude ver o meu irmão que implicava tanto com o meu gato saindo para passear com ele. Passeava com ele em um lindo jardim, que estava com as minhas flores favoritas e tão cheirosas.

No dia depois que me matei, descobri que nem tudo é ruim e que todas as fases passam.

Sim, a vida é feita de fases, e não importa se elas são boas ou ruins, sempre irão passar. Elas só precisam existir para te instruir em algo, te mostrar que nenhum sofrimento é eterno e que alegrias irão sempre existir.

No dia depois que me matei, percebi que estava apaixonada pela vida, e queria ela de volta, mas dessa vez era tarde demais, porque era uma coisa irreversível.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar