NarrativasRevisadoSem signo

Um dia na vida dela

Eu passei as horas e os dias rindo do quão idiotas as pessoas apaixonadas podem ser e o quão sublime isso te faz se sentir vivo. Esse era um dos momentos em que eu poderia precisar de um cigarro. Decidi colocar algumas ideias na pauta para finalmente assumirem alguma personalidade.

Minha amiga já tinha ido há uma semana. Não que eu estivesse necessariamente contando, mas existia quem me lembrasse o suficiente disso.

Algumas vezes me dediquei a pensar sobre isso. Sim, eu sabia que tinha sido muito dura e até sem coração, mas… na verdade eu realmente me achava dentro de uma loucura, onde eu buscava ardentemente achar a sanidade. Eu mal conseguia dar um passo para respirar sem lembrar que eu seria vítima de algum pensamento ruim sobre.

Além disso, ela tinha deixado claro que já tinha encontrado alguém com quem tinha pensamento parecido, mas eu nunca entendi a real necessidade de pessoas que falassem coisas que ela gostasse de ouvir, e não de uma verdade nua e crua. A realidade lhe traria uma melhor reflexão.

Eu acreditei que tinha atuado da forma mais sensata, afinal… muitas coisas não se encaixavam desde então. Ele e eu quase não nos víamos como um casal. Pensando bem… Eu não o via mais como um potencial companheiro.

Segurei meu lápis com a boca, tentando amordaçar as palavras que eram ditas livremente dentro da minha cabeça, e não havia um só motivo que me faria parar.

Celular vibrando.

Olhei para o visor. Era ele. Dei um sorriso físico e com a alma. Pode ser completamente estúpido você se dedicar a se apaixonar novamente. Correr o risco, perder tudo por tantas vezes… tão pouco. Porém, diferentemente das outras vezes, nessa eu me senti… viva.

E eu gostaria de ter explicado isso à Bruna com mais cuidado, mas não tivemos tempo. E eu também não insisti. Todas as minhas faltas e muitas vezes os momentos que a deixei sem resposta não foram propositais. Ok. Talvez algumas.

Eu a considerava uma boa amiga e uma pessoa que ainda tinha muito o que aprender. A diferença entre mim e ela era que eu reconhecia isso. Para ser sincera, eu me pergunto se isso é uma crise ou se de fato estamos no começo do fim. Ainda não reconheço. De qualquer maneira, eu sei quem lê tudo isso.

Eu sei quem lê a minha mente. Foi onde tudo começou.

E digo que foi um prazer tê-la ao meu lado.

O melhor ainda está por vir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar