NarrativasRevisadoSem signo

Sonhos de uma noite de verão

Eu gostaria de chamá-la de “a mulher que eu sempre amei”, mas seria um exagero e completa inverdade. A caridade lhe sempre foi um “dom”. Um dos mais admiráveis na minha respeitosa opinião. Não é novidade alguma que os anjos sempre se encantavam uns com os outros. Éramos viajantes que se esbarravam em missões, em reuniões com os mais altos escalões. Cada um com suas funções próprias, mas sempre cientes das existências uns dos outros.

A verdade nos seus olhos era quase humana, talvez por isso você ter sido sempre tão majestosa e olhar tanto por eles. Eu quase nunca entendia, mas como você mesmo dizia, eu estava me cansando demais nos livros a ponto de não olhar pela beleza da vida. Eu sempre soube que você iria cair. Eu sentia tamanho amor e devoção que você tinha por aqueles seres, e por isso mesmo eu sempre quis te proteger, pois você me parecia tão frágil, mas ao mesmo tempo tão dona de si.

E ao mesmo tempo também eu te olhava sempre querendo poder tocar. Tocar. Essa palavra veio de você quando me retratou uma experiência com os humanos.

Seu coração era tão gigante que foi escolhida de fato para ser a única caída para servir à nossa causa, tamanha confiança que tínhamos em todos os seus passos. Lembro-me de quase sentir quando seus pés tocaram o chão naquela primeira vez, o sorriso no seu rosto e em você saber que finalmente teria aquilo que tanto tinha desejado.

Tanto um quanto o outro foram fascinados por você, assim como uma centena de anjos que vieram depois. Porém, você olhou por mim e ainda olha.

Guardo cada sorriso, cada olhar de uma forma que nenhuma outra conseguiria replicar o tamanho da caridade e da gentileza. Você pode não ter conseguido tocar e ter achado estranho, mas desde que te vi eu te busquei. Uma hora você veio até mim, pois quando nós somos forçados pelo amor fraternal, algo realmente muda dentro de nós. Graças a Deus você se permitiu essa mudança, e aqui estamos sendo frutos dela.

Não sei o que vai acontecer daqui para a frente, mas admiro que estou arriscando.

Eu confio na vontade do destino e do Universo, e tudo o que vier a nos presentear será para o bem e nada mais. Tenho segurança de que as coisas serão mais brilhantes agora do que já ousamos imaginar. E nós dois vamos estar lá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar