RevisadoSem signo

Sinta essa lembrança agora

É verdade que nunca escolhemos ser assim. Foi por pura contradição do destino. Testamos nossas línguas inúmeras vezes ao planejar ações que poderiam vir a se desenrolar, mas nesse momento eu estava perdida em você e o mesmo parecia acontecer contigo. Quantos ensaios e promessas que estavam para ser cumpridas ou desfeitas numa fração de segundos?

Tive medo de me arrepender, de possuir o coração saltado ao te encarar, porém nunca de ter me entregado a um amor sem expectativas. Não há nada de mais. Seremos apenas bons companheiros e poderemos no máximo proporcionar agradáveis momentos recíprocos.

Se os olhos não fossem tão azuis, talvez eu não ficasse tão cega quando a luz refletisse neles. Deus! Isso chegava a me deixar vermelha! A todo momento minhas lágrimas ameaçavam sair. Muitas mágoas me estouravam os miolos, e eu só precisava sumir instantaneamente.

Quando ele se foi, só esperei que pudesse conter minhas sensações e a minha vontade que tivesse ficado. Que aquelas palavras parassem de se repetir nos meus ouvidos e a saudade do abraço para durar pela eternidade. Então vem o mar…

O mar sempre me acalmou. O seu movimento, a forma como poderia ser tão revolto e calmo na diferença das horas. Era como eu me sentia por dentro e como não conseguia me expressar.

Muitas vezes olhei para esse mesmo mar e procurei respostas. Entender o que se passava na sua cabeça, mas as que recebi foram poucas. Quase nenhuma. E isso me enlouquecia. Elas eram diversas e partiam de vários princípios: agoniadas, emocionais, nervosas, preocupadas, em frangalhos… Íntimas.

E mesmo assim sempre houve um pedido… Que nessa tonalidade eu encontrasse os olhos daquele que amava. Suspirei. Estar aqui estava sendo o maior erro da minha vida, mas evitar seria ainda pior.

Não era difícil para mim reorganizar padrões. Sempre costumei fazer todo o meu serviço com agilidade, eficácia e presteza, mas estar debaixo do mesmo teto com alguém assim era bem diferente. Estava inquieta, não conseguia assimilar, e o fator primordial que me fazia querer jogar tudo para o alto: estava longe de casa, não tinha a quem recorrer e estava cada vez mais tarde e perigoso.

A última coisa que me recordo daquela noite foi dos braços dele me tomando para si e os seus lábios na minha cabeça. Alucinação. Mas era real. Deliciosamente real. Todas as noites que esperei ter alguém ao meu lado para me dar carinho haviam se materializado em instantes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar