RevisadoSem signo

Ele não fica com quem não abre os braços

Eu não fico com alguém que não abre os braços para a felicidade ou então para ter essa oportunidade de mudar de vida definitivamente. Algumas pessoas não me compreendem por eu ter deixado passar tantas pessoas que queriam até ter alguma coisa mais séria comigo, mas que no fim das contas não complementavam aspectos que eram extremamente importantes para mim. Quando a gente acaba sendo mais seletivo, existe um tal medo de a gente acabar sendo muito selecionado lá na frente.

Mas eu não quero transformar isso em um impedimento de escolher quem são as pessoas que valem ter daqui por diante. Principalmente a pessoa que deve dividir a minha vida e a minha jornada de forma íntima. Pois eu não conto aqui que eu vou me envolver com alguma pessoa por apenas sentir o que é efêmero. Quando eu escolher me envolver de verdade com alguém, é para sempre. Então até chegar lá eu sei que ainda tem muita estrada para andar e muita gente para conhecer para poder fazer essa certeza se iluminar.

Talvez surja algum medo de que eu fique sozinho por conta disso, ou então de que eu não seja digno de encontrar uma pessoa boa para mim. Mas eu logo desfaço esse medo ao me propor uma nova tentativa em projetos e novos lugares que eu possa ir para poder conhecer novas pessoas. O que me importa é a troca equivante, complementando e completando.

Sei também que sou um gesto de amor, porque eu vou melhorar e amadurecer, caso essa pessoa exista e venha entrar na minha vida. Talvez, se ela me encontrasse agora, ela não saberia. Eu poderia magoá-la por um motivo qualquer que eu não faria lá na frente. Então eu prefiro trabalhar o meu desenvolvimento, o meu espírito e a minha cabeça a ficar me preocupando em trazer essa pessoa o mais rápido possível para mim.

Eu primeiro quero ser uma pessoa melhor para depois poder ser alguém melhor em um relacionamento. E eu acredito também que a pessoa que for destinada a estar comigo vai ter um pensamento parecido. Pois a gente atrai aquilo que nós vibramos. A gente não se interessa pelos opostos, como as pessoas costumam dizer; eu costumo me interessar por aquilo que falta em mim e eu encontro em você. Isso por si só já é algo bastante diferente do que nós costumamos pregar.

Sendo assim, quando essa pessoa chegar, eu vou saber que ela terá braços abertos para poder experimentar e aceitar que as mudanças são caminhos de cura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar