RevisadoSem signo

Quando você disse aquilo tudo

Quando você disse tudo aquilo, após a nuvem de desentendido, quem lhe respondeu fui eu (quase tudo, pois a fala final foi a minha linha racional).

Eu pedi a Deus que te protegesse, e Ele o fez. Eu tenho, sim, meus “defeitos”. Você também os tem, mas parece que você realmente focou na parte de tentar combatê-los em mim. De uma maneira não me incomoda, mesmo que o ego seja atingido e você goste mesmo de brigar, mas raiva se não tem.

Não contra você, afinal, eu também o amo. Eu te amo e não tenho vergonha alguma em dizer isso, e justamente por isso, tudo o que aconteceu me foi um tiro. Não há qualquer exagero nisso. Eu tive que tomar um momento para poder respirar. E de uma maneira, eu sei que você sente que houve erro da sua parte, pois você tentou consertá-lo me dizendo o que estava errado em questão, tentando estabelecer então uma equidade. Mais uma vez, eu não tenho qualquer interesse de atacar ou entrar em provocação com a sua verdade, mas estou ciente das práticas que ela se submete, pois são, sim, similares às minhas.

As suas palavras me foram cortantes. Eu sinto muito, mas não há qualquer prazo para mim. E quando eu lhe falei sobre o prazo do dia 31, eu não lhe dei esse prazo. Esse é o ano da confiança, mas além disso, é o ano da justiça, da cura. Eu já sinto agora com grande glória e percebi o quanto eu deveria ajustar o passado, e é o que estou fazendo. Sabe, chega a ser ridículo, pois você tem a sua vida, eu também tenho a minha, e sei justamente do que alguém é capaz para me proteger segundo os olhos dele, e por essa razão eu resolvi retornar até essa pessoa e trazê-la a razão, pelo menos… tentar.

Depois de ter abandonado tanta coisa, pois eu sabia que vínculos não me traziam mais do que escravidão para vários setores e afins, eu retornei, pois alguma mudança me levou até lá. Na verdade, eu percebi o quanto ainda há amor em mim e como é da minha vontade ir para a luz. Aliás, se eu pudesse traria muitas pessoas, mesmo que eu tivesse me arriscar no vale das sombras, pois o que eu faço tem amor.

Olha, a gente não deve abandonar as guruzinhas e guruzinhos. Eu aprendi isso por agora com o Guru Astral. E contigo. A gente pode dar um tempo, deixar ver o que se reserva, mas expulsar as pessoas de nossa vida é algo triste, pesado e, bem…  você vai dizer que não o fez, mas sim, o fez por duas ou três vezes. E agora eu entendo que é hora de ir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar