NarrativasRevisadoSem signo

Quando ela acordou

Eu queria poder ficar. Ser um pouco mais parte do seu mundo, mas o meu já me sugava outra vez. Eu tinha quase certeza que não sentiria minha falta. Deixei o espaço de uma lembrança e fui embora. E se tudo tivesse sido diferente… Mas a princípio eu pedi por um amor verdadeiro que me fizesse ser quem eu realmente era.

Debaixo de todas as máscaras e personagens que fiz questão de criar. E ele estava aqui. Para mudar a minha vida. Uma eternidade suficiente para te ter em meus braços. Você não pôde se esconder de mim. Mas hoje eu vejo o esforço que você faz para deixar claro o quanto já pertence a outro cara. Eu já tinha tomado a lição da perda uma vez, não é meu objetivo deixar acontecer a segunda.

Minhas atitudes estão próximas e você verá que não tem nada nesse cara que você não vá encontrar de melhor em mim. Mas é uma disputa que quer. Então é o que eu vou lhe dar. Vamos. Talvez vá se arrepender. Se não já tiver se arrependido. Quem estiver lendo vai achar que isso só será mais um conto fantasioso. Todos voltaram às suas vidas normais sem perceber a realidade disso tudo.

Eu dissociei. Fui posto no chão. Enquanto você era o amor da minha vida, você me tinha na mão. Mas então aprendi a bater mais forte e não aceitar o sermão. Eu pensei que estava quando parei de gostar de você, mas então… foi quando começou a aparecer… Ele, eu e você.

Eu me enganei redondamente. Todos eles eram instrumentos da sua tortura. Você os jogou no jogo, me fez crer que seria melhor e que eu poderia voltar a amar. Mas era mais um ritual para sacrificar. É verdade o que eles dizem. Eles lhe são algo com que você possa brincar.

E quando isso se tornar o seu porto seguro…

Lhe tiram… tudo. Eu lembro muito bem. Todo o abuso.

Você começa a gostar. Da sensação que a sua alma não vale mais nada. Mas sempre há uma esperança de ver a luz no fim do túnel. Sempre há uma esperança de salvação. De se limpar como antes.

Mas não vai acontecer. Não enquanto estiver com você. Eu podia jurar que tinha tentado me livrar dessa dependência. Que era eu. Mas me esqueceram de avisar que aquele antigo você morreu. Apenas se torna vigilante. Espreme minhas costas contra a parede.  Essas grades que você tornou como a minha casa. A graça de achar que a rebeldia era seu motor principal para me manter presa.

Às vezes me pergunto se vou experimentar o sabor da liberdade de novo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar