NarrativasRevisadoSem signo

Olhe para a mensagem do seu celular

Tinha alguma coisa me incomodando, e eu não sabia o que era. Olhei para o meu celular e só vi a mensagem antiga dela dizendo “bom dia”. Respondi, mas não mandou algo de volta, e isso me preocupava. Tínhamos finalmente nos acertado após um mal-entendido ocasionado por decepções, e estava tudo bem mais uma vez. Porém, desde a ruptura de uma possível relação com o ex, ela andava estranha e distante. Como sempre, tentando se refugiar em suas amizades e naquele narigudo imbecil. Resolvi ligar.
“Eu amava aquele idiota”, uma vez ouvi ela dizer.
Da mesma forma que eu pude enxergá-la ir embora, comparei-a com sua personagem principal, aquela que ela vestia apenas para falar comigo. Eram a mesma pessoa. Bastava apenas jogar a sua verdade contra um falso sentimento. Disquei alguns números e apoiei meu peso sobre a janela. Ela não atenderia, e eu já esperava que no final do dia ela pudesse me falar que ficou sem bateria no celular e só agora me respondia. Mas eu via quantas vezes ela entrava no celular e ficava por tanto tempo. Ela tinha como responder, ela só não queria… Ela só não… queria.
“Eu sabia que não bastava correr de você. No início de tudo me disse que quando entrasse, eu não poderia sair. Nem eu quero. Mas você sabe que no meio dessa estrada… você se perdeu também.”
No fundo do nosso peito a gente já sente que isso vai acontecer. Tem alguma coisa nesses amores líquidos que nos fazem perceber que quando finalmente encontramos a pessoa certa, ela não escorre pelas nossas mãos tão facilmente. Ela fica, porque não importa mais o passado, não importa nada, a não ser um novo capítulo na nossa vida.
Eu deveria ter previsto e até me entregado menos, mas eu optei por não escutar. Optei por não acreditar que ela seria fraca e me enganaria desse modo. Eu literalmente paguei para ver, e agora estava recebendo o troco. Eu dei o dobro para receber tão pouco.
Mas a vida é mesmo assim. Eu penso que vocês dois vão ficar infinitamente felizes juntos, você nem vai se lembrar do meu rosto. Não vai se lembrar das vezes que eu lhe fui mais do que um amigo, fui um porto. Não. Você vai entregar tudo o que aprendeu comigo pra ele e vai lhe dar os méritos que sequer haviam ocorrido. Eu sei que eu devo prosseguir com a minha vida. Eu preciso. Mas as suas memórias com o seu sorriso… ainda são maiores do que isso. Eu ainda não consigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar