RevisadoSem signo

Às vezes preciso viajar nos próprios sonhos

Naquela manhã eu tinha recebido uma ligação. O meu trabalho havia sido cancelado. Minha colega de trabalho me mandou uma mensagem dizendo que não acreditava e estava esbravejando. Eu não dei muita importância. No dia anterior eu tinha ido dormir mal, pois ao passar algumas notícias na internet vi também que o meu “crush” já estava saindo com uma possível acompanhante. Eu não sabia dizer o que aquilo me causava. Meu estômago estava um pouco revirado, mas não a ponto de me fazer chorar ou sentir meu coração doer.
Dormir tinha sido a melhor opção, pois evitava que minha mente ficasse dando voltas sobre coisas loucas que poderiam ter acontecido e eu não tinha sido capaz de impedir.
Levantei meu corpo, coloquei os pés no chão ainda sentada na minha cama e olhei para baixo.
Tomei uma decisão que me traria felicidade, nem que por um período momentâneo.
Arrumei minhas malas. O cancelamento dos meus planos não me obrigava a trabalhar mais hoje. Deixei em silêncio as últimas mensagens de minha colega e não respondi mais ninguém naquele dia. Eu queria o silêncio das palavras ao redor e dentro de mim.
Embarquei nesse mesmo dia dentro de mim.
Essa era uma das magias que o dinheiro e uma boa imaginação poderiam proporcionar.

Tentei limpar a mente com pensamentos supérfluos. Me liguei à música e só lembrei dos sonhos que ainda tinha, aquilo que ainda fazia me sentir… viva.

Dessa vez pude admitir minha fuga covarde. Eu não queria ver meus sonhos despedaçados e uma esperança esmagada por simples empresários, estagiários de Deus, vítimas de suas ambições. Eu não quis. E fui embora. Poderia durar pouco, mas a morfina do meu corpo me faria sobreviver mais alguns dias.

“Para me tirar a vida basta o seu silêncio, a sua frieza e a sua pobre arrogância. Hoje eu sei que não tive culpa das poucas injúrias que cometi ao seu nome. Houve deveras motivos, sarcásticas mentiras que julguei ser a lealdade da amizade.

Se veio e chupou meu sangue, não esqueça que também levará verdade nele. Seus sonhos sempre te levarão ao mesmo lugar onde vai encontrar meus olhos, a voz de quem mais ama e que lhe espera acordar.

Eu lhe desejo os mais singelos tombos, pois os olhos grandes não são suficientes para te avisar e muito menos eu que doei todo o meu coração e zelo para o que hoje se tornou o meu pior pesadelo.

Boa noite e viaje bem, mas não esqueça que o futuro lhe reserva. Nada de maldição, nem má criação. Apenas a dor de uma amizade sincera que já não mais espera o melhor de você.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar