RevisadoSem signo

A diferença de sentir falta e de fazer falta

Você já parou para pensar na diferença de sentir falta e de fazer falta? Eu sei que essa é uma das questões que não tem tanta repercussão, e as guruzinhas e guruzinhos não ficam parando para pensar e refletir sobre uma coisa dessas. Mas por mais óbvio que pareça alguma coisa, às vezes é necessário tirar um tempinho para pensar sobre esses extremos e paradoxos que acontecem nas nossas vidas. Logo de primeira, quando você pensa em sentir falta, é algo externo a você e que está faltando e você tem essa percepção sobre a falta. Você sabe que existe alguma coisa fora do lugar e que está causando um problema, ou você vai atrás disso que tá fazendo falta para você e tenta sanar esse sentimento. Só que a gente pensa e se coloca logo em primeiro lugar, esquece que o sentir falta é onde nós provocamos esse sentimento em relação a uma outra pessoa ou uma outra situação. A gente pensa sempre tanto em si e nas nossas necessidades que nos esquecemos de nos colocar no lugar do outro e do que nós causamos para o outro.

Não estou aqui para apontar o dedo para você e falar que você é extremamente responsável por fazer o outro sentir falta de você. Às vezes isso não está nas nossas mãos, e aquela pessoa passa um pouco do limite. Não existe um manual de regras que nos fale até onde ou como nós podemos sentir falta de alguma coisa, só que quando isso começa a interferir muito nas nossas estradas e na nossa forma de interagir conosco mesmos e com tudo isso, passa uma imagem e uma dependência totalmente destrutivas. Fazer falta não é ruim, e não significa que alguém pode morrer por conta disso. Às vezes é bom a gente ouvir que faz falta para alguém e como essa pessoa sente saudades da gente. Mas será que nós estamos prontos para receber essas palavras e até corresponder essa falta que alguém sentiu da gente? Será que somos capazes de dar valor para esse tipo de sentimento e buscar uma forma de converter isso?

Se antes pensamos sobre algo que nos faz falta e nos colocamos em primeiro lugar na situação, será que conseguimos deixar de ser um pouquinho egoístas para poder verificar que o outro também tem a necessidade da nossa presença? Peço desculpas pela reflexão, mas hoje é um dia que eu gostaria de algumas respostas como essa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar