Signo de Peixes

Passado e futuro piscianos

Toda a vez que você deixa de viver a sua verdade, você morre um pouco. Eu era capaz de em um encontro dizer quem seria a pessoa certa para mim. Aliás… Eu seria capaz de em um olhar dizer que eu estaria perdida nos olhos de alguém para sempre.

Não mais aconteceu desde você. Acho que deve se orgulhar disso.

Em verdade… Não aconteceu até o dia 26 de março de 2016. Às 18:32 eu olhei alguém que eu saberia que me levaria a um lugar que eu nunca tinha conhecido, mas…

Eu tenho medo. Pois isso também é dor. Ele não parecia com nada que eu tinha imaginado. E eu lembro claramente que ele disse algo sobre expectativas. Naquele momento, eu o dei razão, pois eu já estava pronta para ir embora, porém com o meu lema de “segundas chances” eu me permiti ficar e não fazê-lo perder a viagem. Acho que… Eu também não era nada daquilo que ele tinha imaginado.

Seria um desastre. Seria… Poderia ter sido. Mas não foi.

Ele começou a falar. Eu comecei a me sentir tão bem. Era uma sensação estranha. O tempo havia parado. Sim. O tempo parou. E como… Ele sabia tantas coisas? Como ele poderia saber?

Todas as noites eu encenava comigo mesma um cara que ao menos gostasse de mim e me tocasse o lábio inferior com tamanha ternura. Meu travesseiro poderia ser seu peito. Ele saberia do meu amor pelo toque às costas e que me desafiaria docemente como se não houvesse jamais alguém que o pudesse fazer melhor.

Ele fez tudo isso. E eu me questionei ao menos 3 vezes se ele era real, pois eu nunca, nunca acreditei que isso pudesse existir. E sabe… Era tão bom.

Eu estava diante dos personagens de Heath Ledger, personificados em um só e em gente de carne e osso. Eu estava com meu Drew Baylor ou Will Turner.

Não meu, mas… Tudo o que um dia eu tinha pedido e não poderia ser meu, pois ele tinha como missão trazer alegria para tantas pessoas, despertando-as seu verdadeiro “eu” e eu apenas de traduzir algumas fases de suas vidas, de forma que a luz entrasse. Eram trabalhos solitários.

Mais uma vez eu quis me fechar, lhe dei as costas com algum gracejo descabido, apenas para convencer a mim mesma que da mesma forma como um sonho começa, ele também tem de acabar. Não. Eu não estava sendo sonhadora. Todos são dotados de seus defeitos e eu já podia imaginar quais seriam os dele.

Todas as vezes que eu o olhava, eu tentava imaginar o que tinha em sua cabeça. Ou então eu tentava deletar qualquer possível sentimento que viesse a crescer, mas ele vinha e me tocava com amor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar