RevisadoSem signo

Ontem ela pensou em você

Pensei, sim, e me arrependo.

Pensei em lhe mandar mensagem, ligar, bater na porta da sua casa como naqueles filmes, onde ela abre a porta e ele vai correndo abraçá-la. Tudo bem, sei que se eu fosse na sua casa, a cena não sairia como nos filmes. Pelo menos não nos de romance.

Não sairia como um filme, pois, por trás de todas as câmeras e holofotes, há redatores que usam 400 mil palavras para a cena sair perfeita. E mesmo se soubesse 1/3 delas, eu não conseguiria evitar que fosse, enquanto assisto você pegar a mochila e ir embora. Embora para fugir do que sente e não vê que há coisas que precisamos encarar de frente, e correr como uma criança com medo dentro do armário não vai adiantar.

Ainda quero te encontrar, quero, sim, quero ver sua cara de surpresa misturada com saudades quando me encontrar, quero ver se vai saber disfarçar — ou correr novamente.

Você se foi, e a única coisa inteira que deixou em mim foi a vontade de escrever. Lembra que me dizia que adorava ser o tema do meu compor? Lembra quando me mandava trechos de textos aleatórios e eu te chamava de meloso? Você era extraordinário em sua essência, e hoje não consigo mais escutar certas músicas ou ler certos autores que logo me vem o aperto no coração e a saudade que nunca me deixou em paz.

Será que dentro de você ainda tem um pouco de mim? Ou tem alguém melhor na minha antiga casa? Foi nos seus braços que aprendi o real significado da palavra aconchego.  Não peço que perdoe minha impulsividade e minha terrível teimosia, só peço que não me descarte por inteiro na sua vida e que se lembre de mim como um alguém que fez o máximo que pôde. Você, melhor do que ninguém, sabe que eu faço tudo errado. Tudo errado.

Quero ver quantos Corote vai tomar até ter uma overdose de pensamentos meus.

Queria até ser uma mosquinha para ver sua cara de desespero acordando porque tentou dormir pra me esquecer e sonhou comigo.

Ou procurar uma companhia que amenize o que diz não sentir.

Pensando melhor, pode ir embora. Desejo-lhe sorte.

Adeus — desta vez é pra valer. Lembrar, a gente sempre lembra, mas isso não significa que depois de tanta porrada injusta não vá conseguir esquecer. Eu estou contando com isso, e tenho certeza que volta eu meia eu vou conseguir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar