RevisadoSem signo

O que aprendi com o tempo

O tempo me ensinou mais do que eu poderia esperar aprender. Sei que pode parecer presunção para algumas pessoas quando falo dessa maneira, mas é verdade. O tempo é realmente um grande sábio. Quando eu costumava ser mais novo, achava que era uma bobagem o que os mais velhos passavam para mim.

Achava que eu poderia aprender as coisas mais rápido e provar para eles e para mim que estou com plena consciência. Acabei quebrando a cara muitas vezes por conta disso. Acabei batendo de cara no muro por achar que eu poderia acelerar o passo e não aproveitar a estadia, não aproveitar a caminhada.

Ser jovem tem dessas coisas. A gente sempre está querendo chegar no final logo e não lembra que essa não é a graça das coisas. A graça dessa jornada de vida espiritualizada não é chegar e concluir alguma coisa, mas justamente o contrário.

É percorrer, parar um pouco, buscar. Há tanto o que se fazer nesse meio que a gente acaba se perdendo. Normal. Somos humanos e não somos perfeitos, mas ainda bem que hoje eu posso dizer que posso repousar minha cabeça descansada porque fui aceitando isso como a minha verdade.

O tempo me trouxe mais do que sabedoria e experiência. Me trouxe a vontade de conhecer detalhes e de não deixar pessoas passarem como apenas pessoas que passam.

Eu dei valor a cada uma delas. Reconheço hoje o papel de cada uma delas dentro da minha vida e a mensagem que elas tinham que trazer. Hoje eu dou valor àquilo que chamei de sofrimento, sofrimento que eu mesmo causei.

Ninguém foi responsável pelas minhas dores senão eu mesmo. Eu mesmo quis pegar a navalha e me cortar com coisas que eu poderia ter deixado bem mais leves. Eu poderia ter feito tudo isso e de verdade feito um esforço para entender cada vez mais que era essencial para mim não ficar dentro desse círculo vicioso. O sofrimento é apenas uma mera ilusão.

É como se fosse uma justificativa para dizer a si e a todos que nós temos razão de brigar com a vida. E por quê? Porque ela nos chamou tantas vezes a atenção e viramos as costas para ela? E quando finalmente prestamos atenção, ela disse que não dava mais para ela ensinar de forma sutil, mas sim de uma forma mais áspera, pois afinal de contas, nós que não tivemos educação para ouvi-la quando ela nos chamou suavemente.

Eu acabei aprendendo isso com o tempo e fui percebendo que isso é amadurecer. Isso é aprender com cada momento e mudar o que há aqui dentro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar