NarrativasRevisadoSem signo

O que aconteceu quando ela encontrou alguém do Tinder

Um fluxo de pensamentos me tomava de novo. A oportunidade de não me tornar uma pessoa que eu não queria ser estava bem à minha frente. A oportunidade de ser feliz como eu nunca achei que seria. A oportunidade de poder… amá-lo o mais breve possível, mas ele tinha toda aquela covardia…

“Quando as coisas vão longe demais, profundas demais, eu sei que você foge.”

Ao mesmo tempo, o temor de que, quando ele saísse daqui, ele mandasse as mesmas mensagens, fizesse os mesmos truques para outras pessoas.

“Eu tenho uma pasta de arquivos e roteiros para usar com todas as meninas que conheço no Tinder.”

Era encenação? Qual era a dele, afinal?

“Eu também não gosto de ficar com todo mundo. Eu gosto de namorar, ficar com uma pessoa, mas uma hora eu sinto que preciso ir e conhecer outras pessoas.”

Eu não deveria ter me envolvido. Não era seguro. Eu nem sabia quem era você.

“Mas, às vezes, a gente encontra a pessoa.”

E essa falta de decisão só era sinal que eu deveria ir. Caminhei para longe sem dizer mais nada. Se esse fosse o fim, era assim que deveria ser. E depois do Pedro existiram outros. Muitos. Lógico que… eu tenho que admitir que ele não foi um “buraco” tão fácil de tapar. Por alguma razão, toda essa aparição como bomba só me desestabilizou em tão pouco tempo.

Eu não queria me envolver tão profundamente assim com ninguém. Não depois de tudo o que eu tinha passado. Eu nunca conheci o que significava “diversão por diversão”. Se eu não estivesse amando alguém do meu passado, eu estaria ocupada me apaixonando por outro alguém. Só pelo prazer de poder sentir a vida mais intensamente. Só pela esperança de que desse certo e, se desse, fazer dar errado de novo, afinal… era ruim demais ter as coisas assim tão monótonas.

Uma boa parcela desses caras, quase todos, não entendia que eu era assim mesmo. Eu era instável, e era dessa maneira que eu gostava de ser. Eu não queria lembrar o quanto minha vida não era tão boa como eu gostaria que ela fosse.  Eu sempre estava querendo mais, mas… eu quis tolher esse sentimento, pois eu não queria acabar… Acabar sendo como ele.

O Pedro se foi. Assim como o Thomás. O Inácio. E todo dia tinha um momento que eu me pegava para pensar neles. Até ter uma hora que eu estaria ocupada demais pensando em outras coisas, outras pessoas, nos meus sonhos.

É estranho. Eu me deparei com o vazio. Sim, eu já o tinha conhecido, mas o vazio de uma ausência física. Eu achava que isso era a pior das dores. Desejar alguém com quem você não pode contar, até eu chegar aqui.

Até eu parar de amar, definitivamente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar