NarrativasRevisadoSem signo

O que aconteceu na viagem dela

Eu estava pronta. Eu não sabia o que esperar. Havia muito. E havia o nada. Eu olhei para os olhos da minha mãe naquele dia. Ela aparentava estar preocupada com as roupas que eu deveria levar, no que eu não deveria esquecer, mas tinha algo maior. Seus olhos estavam escondidos pelo reflexo de uma lente. Eu não queria deixá-la. Eu não estava pronta.

Eu tinha que desistir disso. Seria uma loucura, e eu estaria correndo para seus braços novamente. Eu prometo ser uma boa garota. A filha que você sempre sonhou.

Você nunca teria medo de me perder.

— Bruna, você vai levar isso? — Ela levantou uma peça de roupa.

— Vou, mãe.

Mãe.

Quantas vezes eu teria que falar isso para poder me ouvir na sua frente?

A caminhada aquele dia tinha sido diferente. Meu cachorro me olhou. Ele sabia o que estava acontecendo. Eu sabia disso. Os abraços se multiplicaram, e se eu tivesse sido mais atenta, eu teria visto as flores sobre as quais caminhei. Estava no meu início. Eu tive uma chance de recomeço e de conhecer alguém que nunca tinha sido… eu. Estava indo para conquistar o que era seu.

Mas o que era meu?

Esperei no aeroporto. Dei leves passos. Olhei para o chão tentando memorizar alguma coisa. Os bips no celular eram repetidamente reconfortantes. A ideia de desistir me passou incessantemente pela cabeça. Muita coisa seria deixada para trás. Coisas que eu fiz questão de repetir que não faziam a menor diferença e que não me fariam falta, mas agora… até as pequenas picuinhas eram traços da minha história. O relógio apontou a chegada da hora.

— Mãe, eu vou ficar…

As palavras ficaram presas na minha garganta enquanto a abracei. Daquele ponto de vista que a vi como uma nova mulher. Uma nova etapa estava pronta para iniciar em sua vida também.

— Eu vou ficar bem.

— Se cuida, minha filha.

Então tracei meus pés no chão. Eu quis chorar, é verdade. Eu chorei. Era um corredor imenso e tão pequeno. Agora eu estava sozinha. Coloquei-me sentada. Escrevi ainda mais algumas coisas pelo celular e descansei minha cabeça na poltrona. Eu estava à espera pelo dia.

O dia que estaria por vir. Eu tive alguns sonhos. Eu vi seu rosto em todos eles. Vi meus amigos se acertando. Eu vi a Sara. Ela estava aprovando tudo o que estava acontecendo. Estava tudo certo e perfeitamente sincronizado. O seu sorriso queimava em tudo, assim como em pequenas fotografias.

Eu tinha conseguido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar