RevisadoSem signo

Não faz ela desperdiçar o “oi”

On-line outra vez, não é? E alguém saberia me dizer quando é que você não está? Quando eu nunca estou para ver que você também está lá? Tem tempo, viu? Mesmo quando você aparece on-line, seja em qualquer rede social, eu não dava assim tanta importância, nem queria dar um oi. Só que parece que a vida sempre dá um jeito de virar esse jogo, e de alguns dias para cá a forma tão insistente em saber sobre a minha vida fez com que eu me sentisse e agisse como uma foragida, sempre fugindo das suas perguntas e investidas.

É engraçado olhar para isso hoje. Parece que foi há tanto tempo. Eu não estava buscando qualquer tipo de coisa mais séria. Qualquer coisa que fosse me envolver ainda mais com aquilo, eu nem mais queria.

Só que aí veio você. Putz…

Tentando mostrar que o bom era você, tentando fazer por merecer, tentando provar que tomar esse pouco do meu tempo seria bom, pois me faria sorrir ou aprender alguma coisa que eu nunca teria me importado em aprender. Enfim… Só que agora eu realmente estou aqui. Alguns meses se passaram, as coisas evoluíram, mas não a ponto de terem melhorado… Pelo menos para mim. Há tantas razões assim, mas há outras que me fazem acreditar que aquelas duas pessoas que eram tão estranhas há tão pouco na internet realmente se apaixonaram. Dali, eu fiz a porta certa para te conhecer, mesmo quando eu não estava nem preparada para te receber. Foi bem ruim no início, mas assim que te vi, eu te quis.

Só que então você tomou o meu papel. Você me tirou o chão ao mesmo tempo que continuei com o coração na mão. Sempre que eu te via, eu sabia que só era eu dentro da própria solidão.

E então eu decidi que eu só estava sendo uma mulher apaixonada falando e pedindo para o cara com quem ela nem se importou há alguns meses a respeitasse e pelo menos tentasse amá-la de volta. Você poderia ter falado não, mas não houve resposta. Não houve sequer uma decisão. E aquele “oi” ainda ficou engasgado.

Eu parti. Por que eu não deveria?

Hoje eu vejo que você está bem; as fotos que você posta e o que fiz naquela vez não fizeram a menor diferença. Putz, eu sei o quanto a gente tenta, tenta e tenta. Erra. Mas no fundo acha que fez a coisa certa.

Só que a ferida ainda continua aberta.

Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar