RevisadoSem signo

“Há um abismo entre nós”, ela disse para ele

Há um nós? Não há. Nem houve. Insistimos em dizer que sim. Insistimos, só.

Há muitas diferenças, talvez. Irreconciliáveis. Fingimos que não enxergamos e que uma hora elas simplesmente vão fugir, mas não. Não dá pra empurrar pra debaixo do tapete. Da minha parte, eu busquei ser alguém melhor pra você. Alguém que você pudesse buscar quando bem entendesse. Alguém em quem você confiasse.

Só não percebi que isso não lhe pareceu muito. Apenas se tratava de amizade. E ok ficar só na amizade, mas é difícil quando você passa disso e está só. É amar e não saber o que se ama, porque você encontra o vazio.

Você tem o direito de ficar do jeito que está. Eu apenas falo por mim, porque mesmo que eu tente prosseguir, começa a me machucar. Não há nada pior do que amar alguém e não se sentir bem na presença dessa pessoa.

Não há nada pior em um encontro a dois que apenas alguns assuntos são suficientes para nos fazer dialogar, porque nós dois mesmos sabemos que não funcionamos além disso. E mesmo assim insistimos em nos enganar.

Há um abismo entre nós. E eu não tenho mais voz para gritar. Estamos nos distanciando, tomando nossas vidas de formas diferentes e achando que uma hora isso tudo vai se solucionar, mas eu estou observando quando isso vai acabar.

Eu já não sorrio contigo.

Eu não consigo disfarçar.

Eu amo você,

Mas no final acabamos amigos.

Só que eu quero alguém para estar.

Então preciso te apagar.

Se não consigo te aproximar, vou te deixar pra lá.

Não dá pra suportar. Me sinto cada vez mais longe. Preciso me afastar.

Só que desta vez não vou lhe mostrar as minhas razões. Vou deixar um dia você cair na realidade e perceber que pode ser tarde demais para mudar.

Você me teve nas mãos, só que preferiu ignorar. Chegou minha vez de copiar.

Eu não quero me vingar, mas quero me sentir como você se sente toda vez que estamos perto demais e eu tento me aproximar. Você só busca me afastar. Você parece não querer estar. Você nunca deixa claro o que quer, e eu sempre tenho que adivinhar. É um jogo injusto, mas se for dessa forma que eu tiver que lhe provar, tudo bem. Não vou mais me incomodar. Há formas estranhas que a gente precisa usar para chegar em algum lugar.

Não me culpe por tentar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar