NarrativasReligiosoRevisadoSem signo

Você já viu a cabana?

“A Cabana eu já vi. A Cabana é bacana.”

É. Verdade. Tenho de concordar. Eu lembro na primeira vez que tive contato com A Cabana. Meu pai recebeu esse livro emprestado de um aluno, começou a ler, mas parou, então eu resolvi pegar. Lembro-me também de quantas vezes eu fiquei abraçada com esse livro, chorando e chorando e me sentindo em paz por estar com Deus. Sabe, eu nunca fui muito a fim de bater um papo com Ele, mesmo sabendo que eu tinha uma facilidade enorme de ouvir o que Ele tinha a dizer, de compreender suas mensagens e tudo mais, mas foi como lhe falei… eu prefiro fazer do que pedir.

O filme apareceu em uma época conturbada para mim, mas me serviu para lembrar muita coisa. Eu poderia passar horas falando sobre o filme em si, mas eu acho que pouco ele vem a dizer agora sobre a sua caminhada. Na realidade, eu acho que aqui você está bem mais em evolução que eu. Enquanto eu busco certos refúgios para poder justificar a presença d’Ele e não me referir a Ele diretamente, utilizo-me apenas da sua criação, dos seus instrumentos para poder explicar os fenômenos que Ele mesmo faz. Bem, todo caminho leva a Roma, mas eu aprecio como você quebrou as paredes e procurou justamente por Ele sem subterfúgios. Não se apegou às armadilhas das doutrinas… É isso, sabe? O seu caminho é um campo de trigo iluminado pelo sol. Eu vejo tanta coisa… Eu vejo algo tão extremamente bonito que… Não sei. Eu me sinto quente. Eu me sinto parte disso mesmo quando eu gostaria de não fazer parte de nada.

Este texto está meio prolixo, pois eu gostaria que você estivesse dentro da minha mente para poder ver o que estou vendo agora. Todos nós temos a nossa cabana, e a sua tem uma criança iluminada que é tão parte de você… Eu quero muito te levar até o seu campo, até a sua cabana, mas é lógico que também tenho as minhas dúvidas. Não quanto a Ele, mas sobre o meu merecimento, sobre a minha evolução. Eu ainda não sei o que Deus estava pensando quando juntou nós dois nisso, mas… eu sinto que ainda preciso te manter em segurança.

A visão das ervas daninhas aconteceram no mesmo campo que hoje eu te vejo, só que agora há apenas trigo. Quando eu te vi ali na primeira vez, eu só… fiz o que tinha que fazer. Seu rosto estava anestesiado, e agora há uma alegria que brilha forte, risos altos, você jogando essa criança pro alto. Você também está se preparando para ela, porque ela só está esperando por você. Acho que não estamos mesmo longe disso, mas eu preciso que você se mantenha firme. Por favor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar