RevisadoSem signo

Bem-vindo ao tempo das escolhas

É isso. Então é hoje, né? Você acredita que a gente chegou até aqui? Pode parecer besteira, mas eu não achei que fosse possível. Muitas vezes eu me vi de frente para um muro que para mim seria intransponível, mas ainda bem que eu tinha errado. Para a nossa carta, vamos falar sobre as visões e sobre o fim.

Olha, eu sempre tive muitas visões. Teve uma época que eu me desapontava com elas, pois eu achava que por ter acesso a isso eu teria mais segurança do futuro, mas mal sabia eu que o Criador dava um jeito de fazer tudo diferente, só pra contrariar (eu sei que para mais do que isso, mas me deixa implicar um pouco com Ele).

Eu já tive uma série de visões suas. Lógico que vou guardar algumas, pois elas fazem parte do seu caminho e lá na frente, quando acontecer, eu lhe digo. A maioria envolvia seu futuro, onde o seu nome constava como um dos exponenciais principais deste mundo, mas enfim… Daremos tempo ao tempo. Enfim, a passagem que lembrei sobre o que vai acontecer me fez tremer, e, bem… entendi quando você me disse aqui sobre ver o quão pequena ainda é sua fé, pois foi o que senti comigo. Mas de alguma maneira isso não me fez mais duvidar de nada e não querer mais questionar.

Mas agora é tempo de você também ter suas visões. Eu sei que você já começou o processo e vai ser extremamente positivo. As coisas que eu lhe disse farão mais sentido e você se preparará para isso.

Sabe… Me dá um certo pesar fechar essa etapa, mas como sei que há uma outra etapa na frente, tenho satisfação com isso. Eu aprendi bastante contigo. Esse não é o fim mesmo, ainda que eu insista em colocar um ponto final a todo momento que aparece alguma coisa para me cutucar. Eu, nas minhas visões, insisto em colocar uma linha de chegada, mas é engraçado como eu não sei se isso pode acontecer agora ou daqui a dez anos. De qualquer forma, eu tento cuidar disso com o maior cuidado que consigo para a gente aproveitar ao máximo a oportunidade que estamos tendo.

Ah… Minha maior vontade é que um dia a gente se reúna numa montanha bem alta, olhando para o pôr do sol, (aquele bem rosado, sabe?) e possa dizer que a tarefa foi cumprida. É onde eu quero te levar. Ao fim do deserto, que não está longe, afinal, mas que é um percurso digno. Daqui eu vejo claramente; na verdade, é como se a gente já estivesse lá. É a paz.

Talvez se tiver algum tipo de fim nisso tudo, que seja para nossa imaturidade, fuga das responsabilidades, para tudo aquilo que nos bloqueia e cega. Eu deixo para trás a mim e qualquer outra identidade que um dia eu fui, pois agora eu me preparei para ser muito melhor. Não me falta mais nada. E sobre você… Você vai saber, ou melhor, já sabe. Sabedoria e discernimento sempre, Mestre. Bem-vindo ao tempo das escolhas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar