RevisadoSem signo

Conversas de elevador comigo

Estava lá quando entrei. Aquela pessoa que eu hoje dizia a mim mesmo que detestava. No fundo eu já sabia que essa era uma grande mentira, mas, olha… Quem sabe não pudesse transformar em uma verdade? Depois de tudo o que passamos juntos, era praticamente impossível acreditar em tudo o que tinha acontecido logo depois. Quem nos visse há um tempo poderia afirmar de forma categórica que nós nunca iríamos nos separar.

E nós também acreditamos nisso. Fomos nos deixando levar e percebemos que uma hora não ia mais dar. As coisas mudaram da água para o vinho em um estalar de dedos. Ninguém entendeu nada, e arrisco a dizer que nós também não entendemos. Nós também achamos que isso seria passageiro e até tentamos buscar outras maneiras de fazer isso funcionar, mas acontece que… bom, não estava mais se encaixando. Parecia que tudo o que cultivamos desde o primeiro dia que nos conhecemos morreu. E lógico que senti isso.

Senti. Sinto. Sinto demais. Hoje foi até engraçado para não dizer trágico, porque acabei entrando na página do Guru Astral e lá estava a minha sorte do dia. Eu tentava não ligar muito para isso, pois nem sempre isso ia refletir uma visão íntima do meu dia. Às vezes… bom, alguma outra pessoa poderia se identificar no meu lugar, mas hoje… necessariamente hoje o Guru Astral acertou. Eu iria passar por uma situação constrangedora. E aqui estávamos nós. Tentando e fingindo de todas as formas possíveis que não estávamos enxergando. Que nada estava acontecendo. Eu podia sentir pelo ar que todos estávamos tensos e acho que essa pessoa também estava sentindo o tamanho do meu nervosismo.

Eu não iria abrir a minha boca, mas eu sabia que ela podia sentir. Podia sentir, porque mesmo com tantas mudanças ela ainda me conhecia muito. Nossa… E o tempo não passava. O tempo parecia apenas desacelerar o que estava acontecendo. Quando percebi, olhamos ao mesmo tempo o elevador chegando ao térreo. Era a confirmação que eu precisava para poder saber que eu não era o único que estava sentindo tudo tremer por dentro.

A porta se abriu. Ela se foi. Eu esperei um tempo, pois tinha que soltar todo o fôlego que prendi esse tempo inteiro. Parecia exagero para qualquer pessoa, mas para mim era uma verdadeira prova de força. E eu tinha conseguido passar, só não sabia se meu coração tinha conseguido junto também.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar