RevisadoSem signo

Como ela se sente quando precisa esconder seus sentimentos

Os velhos jogos. Eu teria de me importar com coisas pequenas e não deixar nada crescer. Esse era o nosso mundo. Mesquinho. Eu tinha de reprimir a vontade do coração e apenas soltá-la quando eu estivesse no campo libertador de meu sanctum.

“Que vida triste.” Sim. Era, mas eu estava acostumada com isso. Talvez um dia eu não precisasse mais, mas por enquanto eu ainda estaria me importando em ter tantos amores reprimidos. Ele disse tchau. Não, nós não nos beijamos. Era uma hora aterrorizadora. Eu me peguei pensando se essa não seria uma chance de poder ser feliz uma vez e apaguei na mesma hora.

Ainda que ele fosse especial, eu temia descobrir que ele só seria uma versão maravilhosa de todos os outros. Que ele só fosse uma farsa. Eu não estava pronta para ouvir um “adeus”, mas eu deveria estar pronta para dizer. E substituí-lo por uma outra distração ambulante.

As palavras “fascinante” e “incrível” que até então tinham sido ditas com muita graça nunca foram tão suficientes para exprimir a obra de arte que eu estava a apreciar.

Ah, e ele sabe sobre você. Mesmo que não devesse, mesmo que eu tenha me prometido. Sim, é verdade. É preciso mantê-lo longe para não ler a alma, mas o pior já aconteceu… Ele já chegou ao coração. Eu me tornei alguém como você. Construí minhas muralhas para habitar. Eu estava deixando de sentir e de ser eu.

Ele nunca compreenderia. Porque as pessoas sempre teriam de achar que se tratava de drama. Era a verdade. Era minha luta interna para continuar a pulsar. Se um dia fosse cabível, bem dentro de mim eu acreditava que, se fosse possível reconstruir meu coração, seria pela mão de muitos, carência escassa quebrando todos eles. É o preço que se tem de pagar.

Você me pediu para escrever sobre você. E eu acredito que isso nem ao menos chegue aos seus olhos, mas a tentativa é válida para ao menos aliviar o que eu sinto.

Andar com a maior quantidade de caras possível era ótimo para manter o ego sempre em bom estado. A companhia dos meus amigos me fazia sentir distraída das reais questões existenciais que brotavam na minha cabeça. Ao mesmo tempo… o leve frescor de liberdade era impressionante. As pessoas tinham essa qualidade de poder fazer as outras viverem outras atmosferas. É verdade. Eu conheci boas pessoas. Incríveis, aliás, mas nada de impressionante. Porém, não era hora de maiores exigências.

Ao fim da noite, eu sentia saudade de algumas pessoas. Eu sentia até dele também. Aquele momento em que você foi arrancado da única realidade que você conhecia e precisa aprender a lidar com tudo isso sozinha. Algumas lágrimas caem? Lógico. E você está apenas tentando se convencer de que vai ficar tudo bem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar