RevisadoSem signo

Ela precisa falar desses espinhos

Não sei como começar isso aqui. Não sei mesmo. Com toda a sinceridade, adiei isso. Eu queria ver se passava, queria até que chegasse um momento em que me dispensassem de estar nessa posição, mas enfim… Você sabe que não tem como mudar.

Cheguei até a pensar que era sua responsabilidade vir me procurar se em algum momento eu fizesse falta, se… lhe causasse um mal-estar, basicamente leve, de qualquer situação ter chegado à via de fatos entre a gente. Mas de uma certa maneira, eu sei que isso seria esperar muito de alguém que se encontra sem direção ainda.

Eu gostaria de poder lhe mandar áudio (mas minha garganta não permite) para você entender que quando falo tudo isso não há um tom ríspido, há uma certa compreensão. Eu exigi demais de você.

Entrei nas suas entranhas, mas não com o propósito de que você me aceitasse — jamais lhe pediria isso —, apenas com o propósito que você se salvasse de si.

Não tiro minhas responsabilidades nos meus atos. Sei que ofendo as pessoas. Sei que coloco elas na parede independentemente da luta que tenham travado todos os dias. Sei também que busco justificar meus erros, aliás, justificar a minha ira, porém, sempre que me pego nesse momento, eu lembro que o Universo me fez assim de uma forma para que eu pudesse despertar alguns que escolheram ser despertados pela dor. Eu honestamente estou querendo parar com isso, porque… não aguento mais ira, fúria, ódio, discórdia. Eu desejo do fundo do meu coração que eu volte a ser em essência a calmaria que sempre fui. Mas enquanto não acontece, tento combater baixos sentimentos, não quero mais me impermeabilizar.

Bem, o motivo do falatório eu ainda estou tateando, confesso. O Universo tem me pedido há tempos por isso. O e-mail do seu aniversário já havia sido decidido desde que te conheci. Ele quase não foi enviado, sim, porque… eu acreditei que isso poderia atrapalhar a sua evolução e a minha.

Gostaria que seguisse seu caminho em paz, mas como um dia me foi pedido que não te abandonasse, levo em consideração esse pedido. Às vezes eu penso que não sou capaz mais de lhe ensinar mais nada. E talvez seja melhor assim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar