RevisadoSem signo

Falando com o crush do Tinder

Que tal falar sobre o antro da perdição hoje? Tinder.

Acho que já lhe contei a minha história com esse famigerado aplicativo. É engraçado, porque eu encontrei muita gente boa, com quem fiz amizade e tenho uma boa consideração, enquanto já ouvi histórias escabrosas de outros.

Sabe, eu não acho ruim essa coisa de o pessoal conhecer outras pessoas pela internet. Meus melhores amigos eu conheci na internet, só que tá complicado buscar o lado sentimental das pessoas.

Tá bem difícil adentrar esse terreno com a juventude de hoje. Eu entrei no Tinder para poder esquecer outras dores, depois para poder ter a chance de conhecer boas pessoas, e então para poder fazer um resgate básico em quem eu conseguisse. O que me chamou a atenção foi que você estava lá, afinal, foi onde a gente interagiu, mas isso não refletiria um pouco o seu emocional bloqueado? Pode ser. Algo a ser filosofado ainda com muito mais afinco. Hoje, mesmo você tendo quebrado os três bloqueios, está em uma quarentena para se manter livre e em sanidade emocional.

A sua saída do aplicativo me surpreendeu um pouco, afinal, ainda há uma grande batalha dentro de você a ser travada com o ego e o primitivo, e sua atitude endossa ainda mais o seu estágio contínuo e ágil de evolução. Estou dizendo que você nunca mais deve usar esses aplicativos? Não. Não sou eu quem diz ou não o que você deve fazer, mas como todo lugar, o Tinder é cheio de pequenas armadilhas. Nós mesmos poderíamos ter tornado o envolvimento efêmero.

Existem pessoas muito boas de coração ali dentro, mas enganadas. Tão enganadas que enganam outras, e esse ciclo está se tornando um vício fatal. Há energia de desespero, traumas, ego, medo e sexo na sua forma mais sanguinária. Então, bem… se um dia você pensar em voltar a ele, se proteja.

Há um problema também quando você traz a toxicidade dessas pessoas à sua vida pessoal, pois para a maioria delas você será “uma pessoa do Tinder”, ou seja, alguém que estava buscando o que a maioria ali busca, não adianta: está no inconsciente. Eu percebo que mesmo com outras intenções, esse pensamento atinge grande parte e é capaz de mudar cenários que poderiam ser mais simples.

Ou seja: toxicidade pura. E como você tem essa coisa que atrai o que não deve, em vez de se livrar, fica cultivando. Mais atenção, viu?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar