RevisadoSem signo

Ela não é o que você procura (mas você gosta dela mesmo assim)

Se eu sou meio insegura, se eu perder a inocência em um encontro às escuras

Ou se sou a barraqueira de minissaia,

Se eu levanto cedo

Ou varo no bar até de madrugada.

Se eu prefiro ficar em casa em vez de me perder na balada,

Se você me conhecer na rede social

Ou eu for prima da sua enteada,

Eu não sou o que você procura.

Se eu me relacionar no primeiro encontro ou lhe der o bolo,

Se a gente tiver os mesmos gostos ou nunca ter escutado a música um do outro,

Se eu não tiver um rosto só e perder a paciência por pouco,

Eu nunca vou ser o que você procura.

Eu posso ser loira, morena, sarada,

Engrenar num papo bom, mostrar minha desenvoltura.

Eu posso bancar a misteriosa provocando que você descubra.

Se eu elogiar ou costurar a sua blusa, mesmo assim eu não vou ser o que você procura.

Eu não. Eu nunca vou ser.

Pois pra falar com sinceridade nem você sabe aquilo que está em busca. Pode ser uma mistura boa de uma garota que você adicionou ou os braços de uma medusa.

Diante de tudo, você vai escolher aquilo que melhor me conjuga, já que eu escolhi ser suja, de uma vida inteira onde não fui eu quem escolheu quem me abusa.

Não há argumentos com alguém que se perde em si mesmo

Sem escutar o mundo à sua volta.

Eu só sei que eu nunca vou ser o que você procura.

No seu mundo… Eu nunca serei sua musa.

Eu só sou mais uma intrusa.

“Nos seus jogos de perdição, ou você se afunda ou sai imunda.”

Mas eu sei o que eu posso ser para mim e para você não fará qualquer diferença no fim, mas o que importa? Eu não preciso me esconder do que eu assumi.

Eu não conto com a sua aprovação, pois eu tenho coração para aguentar o tamanho do seu preconceito do tamanho de um valão. Eu quero estar bem comigo, me aceitando a partir da própria razão que se guia pela minha emoção, mas eu acho que você nunca será capaz de entender isso, né? É claro que não.

Não preciso da sua migalha, nem sequer de um pedaço de pão. Dê isso à sua solidão, pois eu acredito nos bons tempos que me virão, nos bons que estão chegando e que desprezam esse tipo de servidão.

Não, meu amor… Mesmo que você me procure para satisfazer quando a noite te abraça na escuridão, busque o seu tipo, então.

Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar