RevisadoSem signo

Ela encontrando o amor

Você rapidamente se levantou, limpou sua roupa e andou rapidamente para longe de mim. Não tive tempo de dizer “Espere” ou “Fique”. Já era tarde. Tinha se perdido na multidão. E eu não sabia se o veria de novo, porque eu senti que esse era o jogo que gostava de fazer. Só não sabia se eu ainda poderia continuar a jogar. Eu não estava pronta para isso frente a frente. Eu o deixei para trás. Eu tinha noção do que eu tinha feito.

Pelo menos era o que eu achava. Eu o senti perto de mim, mas havia culpa por querê-lo tão próximo. É quase que o mesmo sentimento de se sentir completamente inferior a um “príncipe” ou a um gentleman. Precisava pensar um pouco. Na verdade, eu pensava demais. Tirava conclusões acertadas de menos. Rainha da impulsividade. Eu sabia que tinha me arriscado em pedir isso, mas não queria raciocinar sobre.

Eu precisava descansar. Eu precisava refletir se eu estava diante de um sonho ou se a minha idealização de uma vida toda tinha acabado de se tornar a minha realidade. E apenas uma noite perante as estrelas, a velocidade de uma moto e o vento beijando meu rosto poderiam me abraçar e aliviar como o amor de uma mãe. Todos nós somos Carmen. Esperando uma noite para se perder e outra para se encontrar.

A melhor música para mim era o som da sua risada. Perdi as contas de quantas vezes ele me perguntou se eu iria, a que horas eu iria e com quem. Não sabia dizer se a mente dele era tão cheia de coisas que esquecia o que eu acabava de dizer. Ou se ele não prestava a devida atenção. Ou se gostava mesmo de testar a palavra das pessoas. Sendo qualquer uma dessas alternativas a correta, ou nenhuma delas, eu adorava como isso me fazia pensar que o dia tinha sido maravilhoso. Que até me fazia esquecer as horas de angústias esperando por uma ligação ou uma mensagem.

Sim, eu estava apaixonada, mas eu não queria admitir. Eu já tinha entregado meu coração na mão dele uma vez, e ele o jogou para o alto, por trás de sua cabeça, como se não significasse muito naquele instante. Eu nunca iria entender a carência que poderia ter por atenção. Ele não precisava disso. E mais uma vez… eu estava dedicando bastante do meu tempo pensando nele. Ou até… em nós.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar