NarrativasRevisadoSem signo

Ela em outra dimensão

“E quer saber de uma coisa? Eu estava falando com a minha irmã esses dias que, se você estivesse com o cabelo curto, eu talvez fosse me apaixonar por você mais uma vez, mas… eu pensei melhor. Eu estava procurando uma mentira. Porque, quando eu amei você pela primeira vez, eu tinha acreditado numa ilusão. Você nunca foi grande, querido. Você se esconde atrás de alguém que sabe muito bem manipular os outros, mas na verdade você está no mesmo patamar que o meu… De vítima.”

Eu tive um sonho na noite passada. Eu te via casado com outra mulher, uma mulher do seu passado. E ao mesmo tempo era como se nunca tivessem se separado. E, obviamente, isso me doeu.

Logo depois, você estava sentado em um carro invisível. Ele te levava para um penhasco onde iria morrer e ser esquecido da história, mas alguém te salvou. Sua mãe o salvou. Ela te abraçou forte e colocou a mão em seu coração.

Enquanto eu observava a cena, ouvi me sussurrarem:

— A dor dele está ali. Uma dor que não consegue apagar. Precisa pôr fim a isso, pois ele sofre por alguém.

Não entendi o que queriam que eu fizesse, mas apenas me agradeceram por eu poder ajudar.

Era ótimo estar nos braços dele outra vez. Voltei a beijá-lo de novo. Não queria mais entender a razão de as minhas mãos estarem tão rápidas para tirar sua camisa. Eu só queria. Queria sentir o meu amor mais uma vez comigo. Era a única forma de me sentir plena e extremamente feliz.

— Eu te amo — disse baixinho, enquanto beijava meu rosto suavemente.

Mal consegui abrir os olhos para tentar responder. Eu já estava praticamente na dele.

Em todos os sentidos.

Era ridículo a forma como eu estava tentando fugir. Bastou um toque, e havia me entregado de novo. Mas não importava. Ele me tocou, me beijou inúmeras vezes. Não esperou muito. Estava tão ansioso quanto eu. Eu poderia esperar e prolongar isso ao máximo, mas eu precisava agora. Precisava dele agora.

Foi tão bom!

Tão bom que me fez repensar em centenas de coisas, decisões e que me deixava disposta a voltar para sua armadilha, mas o peso dele em cima de mim naquele momento não me deixava muito espaço para rever tudo.

Eu sentia que há uma hora eu estava prestes a acusá-lo de todas as coisas possíveis, e na outra isso não fazia a menor diferença, porque eu o amava.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar