RevisadoSem signo

A realidade de muitos

Olhos fundos, ou arregalados, pele abatida, e, sem precisar de tradução, falam apenas com expressão facial. Fome é o que sentem. Existem muitas pessoas que dariam absolutamente seu melhor, e acredito que tudo, por um prato de comida e um copo d’água, porque fome não é nada bom, e sentir sede também não. Enquanto isso, existem pessoas que simplesmente não dão valor ao que têm, e têm muito. Alguns ajudam, enquanto outros não movem sequer um dedo.

Em outro cenário, o racismo tem um “valor” considerável. Grupos de pessoas com outros tons de pele, gênero ou etnia, orientação intelectual, orientação sexual, questão religiosa, filosófica, sexual, etc… Muitas vezes não é só os que possuem muito; aqueles que nada têm muitas vezes recusam a ajuda de alguém que deseja ajudar, porque acham que assim estão sendo cada vez mais rebaixados e com esse orgulho vão ficando cada vez mais onde estão, mas continuam culpando muitas vezes aos demais.

Enquanto nem sempre o rostinho bonito significa possuir caráter, e sim um coração podre. Você pode estar de paletó, sapato social, cheirando bem, cabelo penteado e falar vários idiomas ou apenas só um, mas isso nunca vai dizer absolutamente tudo, porque isso se trata apenas do exterior, e nós somos essência.

Eu obedeço, e a outra pessoa não, mas por quê? É a raça, religião, sexualidade que interrompem o andamento desta igualdade?

Quando perceberão que somos todos iguais? Nós precisamos uns dos outros, e não é humilhando o nosso próximo que conseguiremos vencer. Conseguiremos vencer trabalhando em conjunto, no coletivo.

Muitos que estão protestando para acabar com a corrupção fariam a mesma coisa que certos políticos se estivessem no lugar deles, meu Guru Astral. Ou você não acha?

O que adianta a gente lutar por algo se nós não mudamos primeiramente a nós mesmos? Se continuamos a agir covardemente conosco, se não abrimos mão de algo quando se faz necessário? E abrir mão de algo às vezes não é ser covarde, mas sim coerente. Entendo que querer voar é lindo, mas não se pode querer abraçar o mundo com os pés; temos que abraçar o mundo com as mãos, porque precisamos dos pés para estarmos fixos no chão.

Igualdade não significa sermos iguais. Aqui nessa dimensão, em questão de personalidade somos, sim, todos diferentes, mas sabemos que em essência não somos, pois lutamos pelo mesmo propósito. Apesar de sermos seres diferentes, podemos estar unidos. Cada um de nós têm o seu processo, e não ocorre de uma forma linear, por isso é necessário ter paciência com você e com os outros. O trabalho é coletivo pelo fato de que estamos lutando somente por uma coisa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar