RevisadoSem signo

Quando entendeu o fim

Não era o que você queria, não era mesmo. Você de todas as formas possíveis tentou fazer isso dar certo e que funcionasse como você sempre tinha sonhado. Só que alguma coisa não estava tão bem assim para que funcionasse 100%, ou então era você que não tava deixando as coisas fluírem da forma como deveria. Isso não é um erro que precisa te colocar na forca, afinal de contas, todos nós acabamos de fazendo isso por conta dos nossos apegos. Só que uma hora a gente para e percebe que tem realmente alguma coisa de muito errado que está impedindo que uma situação acabe crescendo e evoluindo.

Você ignora esse cenário, mas aparece alguma coisa para lhe mostrar que não dá mais para ignorar e não dá mais para você empurrar com a barriga e fingir que nada tá acontecendo. O fim bate na sua porta com uma coisa que você não quer nem pensar, mas de uma certa maneira tem obrigação. Não vai doer, e o Guru Astral não está aqui para lhe dizer para você impedir que doa ou fingir que não dói. A dor faz parte de um processo de crescimento e amadurecimento do que a gente realmente precisa perceber e entender de uma vez por todas. Lógico que a gente tá sempre esperando que as coisas aconteçam com amor e carinho, ou então está esperando que tudo dê certo e a gente não tenha a obrigação de passar por mais decepções, só que precisamos entender que somos nós mesmos que acabamos cavando isso.

Entender que algo chegou ao fim não é sinônimo de dor ou arrependimento, mas de muita tranquilidade por você ter feito o seu melhor e ter conseguido compreender que um ciclo sempre termina. O fim de um ciclo nada tem a ver com o seu próprio fim. As etapas vão acabando e se desgastando de uma maneira que nós nos identificamos com alguma coisa de fora ou não. Você sente paz por ter feito tudo o que podia e também sente que foi melhor assim. Agora você pode recomeçar de uma forma que você não era capaz lá atrás, mas que agora é. Você passa a ter gratidão por entender que assim que a vida acontece e que apenas vai estar com a gente aquilo que realmente nos pertence, ou seja, a nossa essência e nós mesmos. Tudo é transitório na nossa vida Ter incongruência na mente e no coração é uma das nossas grandes chaves para entender por que nós estamos aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar